AS PROPRIEDADES FUNCIONAIS DA ROMÃ DIRECIONADAS AO CÂNCER

16/08/2011

A Punica granatum L., da família Punicacea, é o nome científico da romãzeira, também conhecida popularmente como romeira, com aplicações na história clínica da medicina, conhecida pela presença de fitoquímicos.

Dos fotoconstituintes presentes na planta, encontrados principalmente em seu fruto, destacam-se os flavonóides, ácido púnico ,punicina e ácido gálico, alcaloides,taninos, tiamina, riboflavina e minerais (fósforo, potássio, sódio, cálcio,ferro), na casca do fruto são encontrados taninos, resina, açúcares e antocianinas.Nas flores, encontram-se também os taninos e antocianinas e suas sementes são compostas por ácidos orgânicos (cítrico, málico e tartárico, vitamina C e açúcares).

O papel da romã tem sido estudado no tratamento e na prevenção de alguns tipos de câncer como o oral, de próstata, cutâneo, mamário, pulmonar, de colón e leucemia.

Segundo revisão de Amin e colaboradores, o fruto, o suco, a semente e o óleo da semente da Punica granatum teriam importante papel na prevenção ou no tratamento destes tipos de câncer através de alguns mecanismos, como ação antioxidante, antiproliferativa(inibição e interrupção do ciclo celular e apoptose), antiangiogênese e anti-inflamatória, assim como entre alguns de seus alvos moleculares estariam o NF-kappa B (NF-Kb), p53 (que induz a apoptose quando ativado) e a óxido nítrico sintetase.

As frações ricas em polifenóis do suco fermentado da romã inibiram o crescimento de células malignas de câncer de mama.Os componentes cianidina, delfinidina e petunidina inibiram o crescimento de células MCF-7 de câncer de mama; o óleo e o extrato de romã inibiram significadamente o desenvolvimento e crescimento de tumor em animais, e o extrato induziu supressão de ciclo celular e apoptose de células cancerígenas a549 no pulmão de humanos.

Estudos in vitro e in vivo sugerem que a romã tem potencial para quimioprevenção de câncer prostático, por inibir o crescimento de células PC-3, induzir a apoptose e reduzir níveis séricos de PSA em animais e em humanos.


Fonte-Revista Nutrição Saúde e Performance-Ano 10-Edição 43.