AS EMOÇÕES E A SAÚDE DO NOSSO CÉREBRO

29/08/2011

Ao longo da evolução, nosso sistema nervoso foi moldado para obter sensações de recompensa diante de situações que favorecem a nossa sobrevivência.De forma instintiva, procuramos viver em ambientes onde há água e nutrientes suficientes, onde podemos perceber o apoio e a proteção de uma comunidade .É por isso que nos sentimos bem quando estamos com amigos, ao comer alimentos saborosos, ao fletar,ao receber carinho e ao fazer sexo.Nossas sofisticadas capacidades como sentidos, cognição,criatividade, emoções, habilidades de comunicar idéias, só existem porque conseguimos nos alimentar.
O sistema endocanabinoide(sistema de produção e liberação de substâncias secretadas naturalmente no cérebro), participa ativamente do processamento das sensações prazerosas.Ambientes e situações que parecem ameaçar a saúde, desencadeiam o estresse.Temos raiva, ansiedade, medo, insatisfação e tristeza, sentimentos que nos compelem a lutar ou fugir, a mudar de ambiente, a modificar nossa situação e a aprender a evitar ou a enfrentar essas circunstâncias desagradáveis.Em tais contextos, é como se o sistema endocanabinoide fosse “desligado”.
Durante a fase aguda de qualquer forma de estresse, a glândula adrenal secreta o hormônio Cortisol, entramos em estado momentâneo de alerta:deixamos de sentir fome e sono e o sistema imune entra em hiperatividade.Quando a situação extrema termina, o organismo tenta compensar o aumento dos níveis do cortisol.Os endocanabinoides são ativados e estimulam o apetite o anabolismo, para recuperrar e estocar energia.Com o auxílio da endorfina,reduzem a tensão mental e a física.Também agem sobre as dores causadas por possíveis ferimentos ou por agentes pró-inflamatórios liberados no período agudo.
Desta forma,os endocanabinoides, atuam nas interações afetivas e cooperativas, favorecendo os processos cognitivos para aprendermos a evitar o estresse.Resumindo, os níveis de endocanabinoides são reduzidos quando detectamos alguma “ameaça”e aumentados acima dos níveis basais quando a situação desagradável termina, coordenando o retorno do orgamismo à normalidade.
Quando o estresse se torna crônico, os mecanismos de retorno, passam a atuar cada vez menos, tornando-se mal adaptativos; situações deste tipo podem desencadear quadros clínicos de desequilíbrios orgânicos, influenciando negativamente no funcionamento adequado de nosso organismo, deixando-o mais susceptível ao aparecimento de doenças.

Fonte-Revista Scientific American, Mente-Cérebro, Ano XIX, Número224.