EQUILÍBRIO TIREOIDIANO ATRAVÉS DA VISÃO FUNCIONAL

10/04/2013

VP - Nutrição Funcional

A matéria “Alimentos que fazem a tireoide trabalhar mais e você perder peso”, publicada pela revista Viva Saúde, edição de nº 78, infelizmente, traz em seu título uma mensagem subliminar que reflete a realidade da população brasileira em relação ao excesso de peso e ao baixo funcionamento da tireoide. Apesar de a reportagem abordar informações objetivas sobre o que é a tireoide, seus hormônios e apresentar alguns problemas comuns causados pelo desequilíbrio dessa glândula, a matéria tratou superficialmente dos efeitos da alimentação para o bom funcionamento do órgão.

Analisando inicialmente o título da matéria, nota-se que este fere a um dos princípios da Nutrição Funcional: “o tratamento centrado no paciente e não na doença”. Culturalmente, temos o hábito de focar no diagnóstico médico. Queremos saber qual o problema, “o que temos”. No entanto, não desmerecendo a importância do diagnóstico, há hoje uma inversão de valores que nos impede de olhar para as reais causas dos problemas que afetam a saúde. “Porque estamos doentes?” É o questionamento correto que nos levaria a uma análise de todo o histórico único do paciente. Essa ênfase é bem retratada na frase de Osler: “É mais importante saber quem é o paciente que tem a doença, do que, que doença o paciente tem”. Identificar patologias e associar ao melhor tratamento farmacológico não corta o mal pela raiz, e na maioria dos casos é apenas uma solução de curto prazo, com garantia de efeitos colaterais declarados via bula. Como já dizia o velho ditado popular: “melhor prevenir do que remediar”. Essa é a idéia da Nutrição Funcional.

Depositar a responsabilidade da perda de peso em uma única glândula seria como exigir que o jogador de um time de futebol ganhe o jogo sozinho. Analisar a tireoide separadamente desconsidera outro principio básico, conhecido como interconexão de fatores fisiológicos. A Nutrição Funcional reconhece que o bom funcionamento endócrino, no caso o da glândula tireoide, depende do equilíbrio de outros sistemas fisiológicos. Além do mais, estão bem estabelecidas pelos estudos que a obesidade e o sobrepeso são desordens nutri-neuro-imune-endocrino-metabólicas complexas, ou seja, uma associação de desequilíbrios orgânicos e nunca um desequilíbrio singular, assim como o hipotireoidismo.

A matéria deteve-se em mostrar como as disfunções da tireóide afetam o corpo em diversos sistemas, mas o raciocínio inverso também pode ser feito, visto o princípio da interconexão de fatores fisiológicos. Ao responder duas perguntar básicas, podemos fazer a conexão entre a tireoide e outros sistemas sob a ótica da Nutrição Funcional: 1) Quais necessidades individuais precisam ser adequadas para o bom funcionamento da tireoide? 2) O que a pessoa precisa retirar de sua alimentação ou minimizar o consumo que atrapalha o funcionamento do órgão?

Sabendo que nossas células representam a menor fração funcional do corpo e são dependentes de nutrientes, as células da tireoide possuem uma necessidade maior, principalmente, mas não se restringindo, em relação ao iodo, zinco e selênio. Uma segunda leva de nutrientes, também necessários, são as vitaminas A, B2, B6 e B12 e o mineral ferro. As características de uma alimentação que dão suporte a esse sistema endócrino incluem em seu cardápio alimentos como algas marinhas (Kombu, Wakame, Hijiki, kelp, Agar-agar, Chlorella, Spirulina, Lithotanium), peixes de águas frias e pequenos (pescadinha, merluza, sardinha e outros), ovos e oleaginosas (castanha do Brasil e de caju, avelã, macadâmia, nozes e amêndoas). Esse grupo de alimentos é fonte de nutrientes que participam como matéria prima na formação do hormônio T4 e da conversão deste em sua forma ativa T3. Já o sal, ao contrário do que se pensa, possui baixa biodisponibilidade de iodo devido à alta concentração de cloro que compete por sítios de absorção.

A segunda pergunta nos leva a refletir sobre a carga tóxica a qual estamos expostos diariamente seja na água, no ar, nos plásticos, nos produtos de limpeza e de higiene, assim como no alimento, contaminado com agrotóxicos e hormônios, entre outras substâncias. Considerados disruptores endócrinos, esses compostos foram definidos pela agência de proteção ambiental dos EUA como “agentes exógenos, que interferem na síntese, secreção, transporte, metabolismo, ação ligante, ou eliminação do hormônio natural presente no organismo responsável pela homeostase, reprodução, além de processos de desenvolvimento”.

Documento publicado este ano pela Sociedade Endócrina sintetizou estudos que mostram a capacidade de mais de 150 compostos de interferir em diferentes pontos na produção dos hormônios tireoidianos. Além destes, substâncias naturais, consideradas bociogênicas (isoflavonas da soja e isotiocianatos presentes nas brássicas - couve, repolho, rabanete, brócolis etc.), também são apontadas por interferir na função da glândula, principalmente em situações específicas, como na deficiência de iodo. Outro ponto para o qual devemos nos atentar é o glúten. Estudos têm feito associação entre esta fração protéica e o desenvolvimento de doenças autoimunes como a tireoidite de Hashimoto. Isso ocorre devido a uma reação imune equivocada frente à semelhança entre os aminoácidos presentes no tecido glandular e no glúten.

Respondidas as perguntas, fica fácil situar a participação de outros órgãos nos desequilíbrios tireoidianos. Entre os diversos sistemas orgânicos, dois possuem destaque nesse caso: sistema gastrintestinal e ao de destoxificação, bem representados pelos intestinos e fígado, respectivamente.

O intestino possui dois papéis primordiais: absorver os nutrientes (I, Zn, Se, Fe, Vit A, B2, B6 e B12) e excluir todo o restante (disruptores endócrinos e alérgenos). Para realizar essas tarefas e não super ativar o sistema de defesa, sua integridade se faz necessária, visto que 60 a 80% do sistema imunológico está presente ao longo do tubo gastrintestinal. Como bem descrito no texto “Nutrientes para potencializar nosso sistema de defesa” da Dra. Camilla Almeida Menezes, deveríamos consumir alimentos que fortalecessem essa barreira. No entanto, quando isso não ocorre, aquilo que não deveria ser absorvido é, enquanto que os nutrientes não são. A entrada das toxinas e do glúten ativa o sistema imunológico, levando a inflamação crônica subclínica e processos alérgicos tardios que perpetuam em todo o organismo sem apresentar características clássicas como dor, ou calor, tornando difícil a identificação e causando um estrago enorme, por exemplo, na tireoide.

Já o fígado, usina metabólica do organismo, tem o papel de processar, armazenar, redistribuir e tornar possível a excreção de quase tudo que entra no organismo. Quando íntegro, garante a conversão de grande parte do hormônio T4 em T3, dependente de zinco e selênio. Porém, a carência nutricional e a sobrecarga tóxica o impede de realizar suas funções, congestionando a função hepática.

Além de direcionar os fatores alimentares, as toxinas e alérgenos, outras estratégias podem ajudar no equilíbrio da tireoide, como exposição solar adequada, água e ar de qualidade, regulação do ciclo biológico de sono e vigília, relaxamento ativo, movimento, ritmo, amor, conexão, relacionamento, e propósito. Percebe-se que a glândula precisa do fígado e intestinos íntegros para garantir seu adequado funcionamento. Tudo funciona bem quando nutrimos nossas células. Então, procure um profissional capacitado para direcionar suas individualidades bioquímicas através de uma alimentação saudável, pois a grande fonte do bem estar está no estilo de vida!

** Texto elaborado pelo Dr. Nélio Carlos de Araújo Santos Filho, aluno bolsista do curso de Pós-graduação em Nutrição Clínica Funcional pela VP Consultoria Nutricional/ Divisão Ensino e Pesquisa.

De: VP | 16/11/2009.